How does it feel to be a junior developer

When I go to events and I meet others juniors developers like me, everyone starts to talk about one thing (in fact, that’s why we get together in the first place): “it’s been so hard, but I am loving it!” So I decided to talk a little about this today and maybe help others who are in the same situation.

Your first weeks

You are so happy someone finally hired you and are excited to work with a team and develop the software. Suddenly you start to feel a lot like this:

  • You are terrified because you think you’re gonna be the intern who dropped the company’s database.
  • You hold your breath for a few seconds before typing git push origin because you are afraid you will push it to master by accident.
  • You have an idea of how to solve a problem, but you are terrified of breaking something important.
  • You move other’s cards in Trello by accident.
  • You are afraid to ask for help again to the team, they all look so busy solving complicated tasks!
  • “How am I going to ask for help if I don’t even know what is happening after spending almost 3 days trying to understand what I am supposed to do?! “
  • “How can she/he find the problem just by looking at it for like 3 seconds??”
  • “I hope I can be a great professional like this person one day!”

Some tips that may help you during this phase

After you freak out a little — or a lot — you start to think:

  • Oh no, that’s why nobody hires people without experience. They will fire me, I know NOTHING!!
  • You feel like you are a burden to the team
  • hello Darkness, my old friend

Unfortunately, this is a very common experience for junior developers. Do not let this put you down, please. This is a sign that you are persevering and you’ll be fine. Here are some tips that I’ve learned that may be helpful when working on a team:

  • Understand and study a lot about Git. Seriously.
  • If you find a command line that you don’t understand, always ask if that’s okay to use it. It’s really important to check the source of the commands and to understand how it works!
  • Write clear and self-explanatory commits and Pull Requests.
  • Read the documentation, even if you don’t understand it at the first time.
  • Write down commands that your team uses frequently so you don’t have to ask every time.
  • Take 1 hour per week to learn something new will help you improve your learning journey.

How to motivate yourself

For those moments when you feel like you should quit:

  • Remember that you get to every day with people who have a lot of experience and have a lot to teach you (and I am not only talking about code) and they were in the same position years ago.
  • Celebrate every small victory that you accomplish every day.
  • If you are stuck for days, ask for help.
  • Know when and how to ask for help.
  • Talk to others so you can share your feelings with other juniors and seniors too and ask for advice.
  • When you feel like you still got tons of things to learn, remember how much you’ve learned until today.
  • Work on your motivation and enjoy the process. Try your best every day, try to improve your mental health. It can become a stressful process that may make you lose all the fun about programming.

How are you doing being a junior developer? Have something to share here?Do you remember how your first internship was like? What terrified you the most? How did you overcome your fears? What do you have to say for junior programmers like me? See you next time!

How I landed my first software internship

Since the beginning of 2017, I was thinking about getting an internship to practice the things I learned and to see how people solved real problems using software. Unfortunately, things didn’t happen in the way I expected.

I follow some groups aimed at beginner programmers and almost every day someone would share how difficult it is to get the first opportunity, especially for those transitioning from another area. In fact, it is very hard to find a place where you can start without having much experience, even if you are motivated, curious and eager to learn.

People just look for senior developers ready to fit in the position but underestimate the value of training a junior. And that sucks. I believe that everyone who is a good professional today is someone who had a great opportunity to start, in a place that values knowledge sharing and skills that go beyond coding.

So I am here today to share some things that I think helped me to finally launch my project of being a software intern last year and I hope this can help others in the same situation:

Networking, networking, networking

I decided this year to go to tech events more often and that made all the difference. I read this everywhere, but I was always busy studying for my tests and I decided to change that a little. By doing this, you can show up, meet another amazing people who can teach you a lot of stuff and perhaps meet a potential company that values your efforts in learning how to code.

In fact, it was on Rails Girls Sao Paulo 2017 edition that I met the CTO of the startup where I did my first software internship 🙂

Build a portfolio for yourself

What I mean is that usually a portfolio is made to show your skills to other people, but instead I think you should focus on building one to develop your skills and to build more confidence. This will help a lot during this journey. I am coding a personal project right now (which I am very proud of) and I am learning a lot of cool stuff. It gave me a push to go to Rails Girls Sao Paulo as a coach (again, where I met the CTO of the startup where I did my first software internship 🙂

Search for companies whose products you like

Last year I started to study more about finance and investments. I combined that with my internship search and started to look for companies whose products were in the financial area.

The more you know about what you are looking for, the better for you because that lets you focus on some technologies, for example. I knew that it may not come true, but dreaming big does not cost money, so I didn’t care about it. For me, this was more exciting because when that finally happened, I would be working with experts in that field. And in that case I would be learning more than coding, right?

It is also important to say that it’s not a problem if you haven’t figured this out yet. Maybe you’ll find a cool company that motivates you to like something new? Never stop exploring!

Show them what you like to do

I always liked writing and I’ve been doing this on my blog for almost 2 years and I never imagined that it would be a plus. But I realized that it is!

Maybe finding a way to show your hobbies or interests is something that will distinguish you from other candidates. Perhaps you enjoy making tutorial videos? Or drawing/illustrating concepts? There are infinite things that you can do to share your learning path and help you show how much you can offer.

Ask your friends how was their first internship

And a final advice to help you relax and focus on the big picture: ask some friends to share with you how was their first coding internship. It also helps to be a member of communities as CodeNewbieNewbie coder warehouse and Tech Ladies (an amazing community for women in tech). People are very friendly and always happy to help.

I even asked the Practical Dev community to give me some advice for new interns and I got valuable answers there. You will see that everyone that is starting knows more or less the same as you. You are on a good journey, don’t give up. While you don’t get there, prepare yourself for when the opportunity shows up!

A personal note about my hiring process

Another great decision that I made this year was to start therapy. I was getting really anxious about not finding a job and I started to notice that it was affecting other areas of my life. When the opportunity came, I went into a spiral of anxiety that I’ve never faced before.

All of this is to say that I was ready to give up on my hiring process. Yes, you read that right. I tried to do a pair programming with the CTO and I was frozen. I wanted so much that job that I was caught in a wind of bad thoughts of how I was not ready and no one would hire a person that did not know how to code and more bad thoughts. Maybe I should study one more year to feel ready to apply again, I started to say to myself.

I sent an email saying that I was not ready and I did not want to make him lose his time with me. But then, he called to go talk with the team next day and I was really honest about how I was feeling.

I don’t know exactly what I did right, but they accepted me. I was very welcomed by the team and I will be eternally grateful for this opportunity. If I had given up, I wouldn’t be here writing this.

So, if you are facing some real issues like anxiety, find someone to help you and take care of yourself. Mental health is as important as you getting an internship. And if you are scared of not succeeding, go scared. You will never know if you don’t try.

A little funny fact: The hiring process was occurring at the same time as when the movie It was being played in theaters and I went to see it. While watching the movie, I suddenly started to imagine the clown would appear to me as a code interviewer (I am kidding (in part xD)).

Have any other advice to add? What do you think that is holding you down from getting an internship? Want to share anything else related? Feel free to comment and to share with someone that you know that is on the same journey. Cheers!

Fui no Rails Girls, e agora?

Esse ano a edição do Rails Girls São Paulo aconteceu no fim de semana passado, nos dias 18 e 19 e foi no espaço roxinho da Nubank. Em 2015, eu fui como participante (você pode conferir minha experiência aqui neste post) e este fui como coach, uma promessa que tinha feito pra mim mesma. Foi uma experiência que acredito que todos devam passar, pois o pouco que sabemos (ou que achamos saber) pode ajudar alguém e mudar a vida de todos nesse processo.

Uma das coisas que mais me deixam feliz nesses projetos voltados a incentivar mulheres a programar é a temática dos projetos que as participantes sugerem. É incrível a quantidade de ideias e propostas que surgem da realidade das pessoas que não são representadas na tecnologia. Eu sempre acreditei no poder da tecnologia e do conhecimento para mudar a vida de muita gente e ver isso na prática me deu mais gás para seguir com os meus projetos e espero que você também 😀

Bom, a intenção deste post é dar uma sugestão de guia para quem quer continuar a programar com Ruby on Rails. Desde já, aviso que é bom você não perder contato com sua coach, pois as dúvidas surgirão e é fácil querer desistir diante de um problemão que não temos ideia de como resolver. Mas com paciência, você chega lá e é muito importante ter uma mentora no início, acredite em mim.

Minha dica é separar um horário por dia, como por exemplo, 30min por dia. Pode parecer pouco, mas não subestime suas escolhas do dia a dia e o impacto que isso traz daqui uns anos na sua vida, 🙂 O ideal é praticar todo dia, assim você relembra mais facilmente o que você fez e praticando diariamente você se compromete consigo mesma, que tal?

Os projetos que sugiro são:

1 – Agile Web Development with Rails

Livro muito bom (de graça!) que ensina a construir um e-commerce, usando metologias ágeis, testes e git :). Muito bom para dar continuidade ao que vocês aprenderam.

2 – The Odin Project

Conheci esse projeto uns dias atrás, é muito bom! E tem uma comunidade bem ativa também, portanto, dúvidas são comuns e você pode conhecer outras pessoas que estão aprendendo também. Já se inscreve e faça um pouquinho de cada vez.

3 – Code School

Esse site é pago, mas se você puder/quiser investir, recomendo. Alguns cursos sao gratuitos, mas a maioria é pago.

4 – RubyThursday

Site muito bom que conheci mês passado. Nas quintas você recebe uma newsletter com tutorias curtinhos, dicas e truques para quem está começando uma carreira de desenvolvodera Rails 🙂

Bom, não adianta nada encher aqui de links, no começo pode assustar, então, se quiser começar nessa ordem, acho uma boa. E sempre lembre que o Google e o StackOverflow serão suas melhores companhias a partir de agora. Só vá com calma, entenda que leva um tempinho até tudo começar a fazer sentido, mas se você gostou de programar, então tudo isso vai valer a pena e é um processo muito bacana. Espero vocês como coaches nas próximas edições, combinado?!

PS. Fui coach junto com a Débora (manja muito de Rails :P) e meu time foi o da Henritta Swan Leavitt (os nossos dos times eram de mulheres cientistas 😀 e tem uma fotinha desse time maravilhoso que tenho orgulho de dizer que fiz parte) e o nosso projeto foi o de listar centro de doações no Brasil, o Doe Felicidade. O código está no github, então, quem quiser contribuir, fique à vontade! É bem legal dar continuidade à ideia, pois você aprende, monta um portfólio e ajuda muita gente por aí <3

 

 

#VamosJuntas

Outsourcely: promo code de 30% em todos os planos!

Sabemos que atualmente as pessoas buscam cada vez mais por propostas de emprego que lhes tragam qualidade de vida, talvez por isso o número de pessoas que trabalham remotamente tenha aumentado. Dentre os inúmeros benefícios que podemos citar com essa relação de trabalho está justamente um melhor aproveitamento do tempo, a moeda mais valiosa do mercado. Ficar preso em um escritório o dia inteiro, com horários engessados há muito tempo deixou de ser o que as pessoas procuram.

Em contrapartida, torna-se cada vez mais difícil encontrar profissionais confiáveis e qualificados, levando empresas a empenhar bastante tempo nessa jornada, não havendo garantias de que encontrem o que procuram. A Outsourcely é uma plataforma criada em 2014 que vem crescendo bastante nos últimos anos, competindo de igual para igual com outras plataformas já estabelecidas no mercado e promete resolver esse problema. Já são mais de 250.000 profissionais remotos cadastrados de 180 países e mais de 25.000 empresas cadastradas!

Os canais de atendimento também são variados e o pagamento do serviço é feito apenas entre você e o profissional, sem pagar nada para Outsourcely. Além disso, eles oferecem diferenciais que se tornam vantajosos tanto para quem busca profissionais qualificados quanto para quem oferece seus serviços: os projetos são todos avaliados previamente e o freelancer recebe 100% do pagamento (algumas pagam menos de 20%, ficando com a maioria do que você ganharia :/). Além disso, você escolhe se quer um trabalho remoto estável, de 40h por semana ou quer aumentar sua renda fazendo um trabalho remoto durantes as horas vagas (:

E o legal da Outsourcely é que lá você encontra tudo que você procura para o seu produto: Designers, Desenvolvedores, Redatores, Marketing, Contabilidade, Advogados, e muito mais! Lá você realmente vai encontrar os melhores e qualificados talentos que você precisa. Como freelancer, você criar seu perfil e se comunica diretamente com as empresas.

Por isso, se você busca uma plataforma que vá te ajudar a trabalhar remotamente, entre no Outsourcely e use o código staff30 e ganhe desconto de 30% em qualquer um dos planos (você pode testar a plataforma usando-a gratuitamente, mas o desconto é sem vencimento, olha que alegria!). Compartilhe com seus amigos também e aproveitem!

Até a próxima!

“Mais rápido e melhor”: como alcançar seus objetivos

Em Mais rápido e melhor, Charles Duhigg faz um exploração inovadora da ciência da produtividade e por que, no mundo de hoje, como você pensa é muito mais importante do que o que você pensa. Com base nas últimas descobertas da neurociência, psicologia e economia comportamental Duhigg explica que as pessoas, empresas e organizações mais produtivas não apenas agem diferente, elas veem o mundo de modos profundamente diferentes. Elas sabem que produtividade tem a ver com fazer escolhas. A maneira como tomamos decisões; as grandes ambições que colocamos em primeiro lugar e as metas fáceis que ignoramos; a cultura que estabelecemos para estimular a inovação; o modo como interagimos com as informações que temos diante de nós: é isso que separa os simplesmente ocupados dos genuinamente produtivos.

Sempre achei interessante aquelas pesquisas da Psicologia e Neurociência sobre comportamento humano e acredito que esse conhecimento seja algo essencial para saber lidar com as pessoas de forma eficiente e produtiva nos dias de hoje. Você já se perguntou porque algumas conseguem alcançar seus objetivos e outras não? O que pessoas bem-sucedidas têm em comum e o que você pode aprender com elas? Eu sim e sempre quis saber mais sobre a vida delas (aka Beyoncé).

Tudo isso me fez começar a ler esse livro. Nesse post vou falar sobre alguns pontos que achei mais interessantes.

1 – Mapas mentais

Não há como negar: auto-motivação, foco e produtividade estão ligados. Para ter foco é preciso ter automotivação, para se automotivar é preciso ter controle das suas ações, para ter controle das suas ações é necessário ser produtivo. Uma forma de juntar tudo isso é praticar mapas mentais no dia a dia:

Pessoas que sabem administrar a própria atenção e que têm o hábito de construir modelos mentais robustos tendem a ganhar mais dinheiro e tirar notas melhores. Além do mais, experimentos demonstram que qualquer um pode aprender a desenvolver o costume de construir modelos mentais. Quando criamos o hábito de contar para nós mesmos histórias sobre o que acontece à nossa volta, aprendemos a aguçar a nossa atenção. Esses momentos de narração podem ser simples, como, a caminho do trabalho, tentar imaginar uma reunião iminente — fazer esforço para imaginar como ela começará, quais questões você levantará se o chefe pedir algum comentário, que objeções seus colegas talvez façam —, ou podem ser complexos, como uma enfermeira que diz a si mesma que aspecto um bebê deve ter enquanto atravessa uma UTI neonatal. Se você quer aprimorar sua sensibilidade para os detalhes no trabalho, cultive o hábito de imaginar, com o maior grau de especificidade possível, o que espera ver e fazer quando chegar à sua mesa […] Se você precisa melhorar a concentração e aprender a evitar distrações, tire um instante para imaginar, com o máximo possível de detalhes, o que está prestes a fazer. É mais fácil saber o que vem adiante quando temos um roteiro bem formulado dentro da cabeça.

Achei essa parte super interessante, pois é uma prática facilmente aplicável! Vou implementar esse ano e creio que ajudará a diminuir a ansiedade. Esse capítulo ainda fala sobre o mito de sermos multitarefas (nunca fomos xD).

2 – Metas SMART

Como ainda estamos no início do ano (embora algumas pesquisas apontem que quase 80% das pessoas já esquece das metas feitas no fim do ano a partir do dia 15 de Janeiro), você deve lembrar quais metas você prometeu a si mesma(o) que faria esse ano, certo? Acontece que, se você apenas pensou ou só colocou no papel sem detalhar as próximas ações para uma delas, sinto informar que as chances de você alcançá-las são bem mínimas e vai ficar só sendo uma promessa mesmo.

Uma meta para ser alcançada precisa ser uma meta SMART (traduzidas ficam):

Específico
Mensurável
Realista
Atingível
Cronograma

Porquê elas funcionam?

[…] o motivo é que processos de determinação de metas como a metodologia SMART obrigam as pessoas a converter aspirações vagas em planos concretos. O processo de fazer com que um objetivo seja específico e demonstrar que ele é atingível inclui compreender quais são os passos necessários — ou mudar ligeiramente a meta, se os propósitos iniciais se mostram pouco realistas. Formular um cronograma e um modo de estimar o sucesso impõe ao processo uma disciplina que nenhuma boa intenção supera. […] para que essa meta seja mais do que apenas uma aspiração, precisamos de um quadro mental disciplinado que nos mostre como transformar um propósito remoto em uma série de objetivos realistas de curto prazo.

É preciso ter cuidado para não cair na tentação de criar metas pequenas apenas para ter a sensação de estar no controle (sabe aquela sensação boa de riscar uma tarefa da agenda? é disso que to falando)! Você precisa ter ambição, mas aliada a um sistema que te faça detalhar os próximos passos nos próximos dias, na próxima semana, no próximo mês… Tudo isso faz com que suas metas sejam coerentes com seus objetivos de curto, médio e longo prazo. Isso é o que David Allen chama de Horizontes no seu método de produtividade Getting Things Done.

3 – Metodologias Ágeis

A cultura de dedicação da NUMMI simplesmente me deixou sem fôlego. A Toyota transformou uma das piores empresas de automóveis dos EUA em uma empresa bem sucedida, com seus funcionários produtivos e felizes por trabalhar lá. Como conseguiram isso? É resultado do que a cultura de dedicação consiste:

[…] esta é uma das lições mais importantes que lugares como a NUMMI e as filosofias enxutas e ágeis transmitem: os funcionários trabalham melhor e de forma mais inteligente quando acreditam que têm mais autoridade para tomar decisões e quando creem que seus colegas estão dedicados ao sucesso deles. Uma sensação de controle pode impulsionar a motivação, mas, para esse sentimento produzir ideias e inovações, as pessoas precisam saber que suas sugestões não serão ignoradas, que seus erros não serão motivo de retaliação.

Interessante, não?! Já falei um pouco sobre isso neste post aqui. Foi legal de ler sobre esse assunto num livro que não tem aparentemente nada a ver com software (:

4 – Concluindo

Esses foram só alguns casos que quis falar aqui, para deixar vocês com vontade de ler =D
Duhig fala de várias empresas e pesquisas super interessantes e no final do livro, ainda faz um ‘roteiro’ de como aplicar os conhecimentos que ele estudava no nosso dia a dia e como isso o ajudou a terminar o livro. Até a próxima!

Meu 2016 em livros

Olá, pessoal! Quanto tempo, né? Agora que estou oficialmente de férias, vou escrever mais por aqui para compensar a parada, pois conheci e aprendi coisas novas bem legais esse ano e queria compartilhar com vocês 😀

No início do ano, eu tinha estabelecido uma meta de ler 30 livros esse ano, porém mal sabia eu o quão corrido seria esse segundo semestre, por isso baixei a meta para 20. Resultado? Já li 20 e estou terminando mais 3, então, não foi tão longe do que pensei no início do ano.

Quero agora indicar os livros que mais gostei, claro. Esse ano decidi ler coisas mais diversificadas do que costumava ler e isso foi muito bom, pois me mostrou a importância de sair da zona de conforto. Acabei lendo mais sobre motivação, pensamento positivo e organização financeira. O restante vocês podem conferir na imagem:

Meu 2016 em livros

Os que mais gostei foram:

1 – How to Bake Pi – Eugenia Cheng

Ainda não terminei de ler, mas é muito legal! Já falei da Eugenia Cheng por aqui e comprovo que ela é realmente sensacional: Matemática é linda e infelizmente a escola nos faz odiá-la, mas compreendê-la hoje é fundamental. Cheng junta duas coisas que aparentemente não têm nada de comum: raciocínio lógico e culinária. Recomendo para quem queira dar uma segunda chance para a Matemática ou para quem curte cozinhar (:

2 – A Arte de pedir – Amanda Palmer

Esse livro foi indicação da minha querida amiga Amanda e adorei! Livro sensacional que mostra o quão frágil nossa vida é, mas o quão leve ela se torna quando temos pessoas especiais ao nosso lado, além de lutar pelo que acreditamos.

3 – Trabalhe 4h por semana – Tim Ferris

Se você não leu esse livro até agora, VÁ AGORA e me agradeça depois.

4 – Girlboss – Sophia Amoruso

Fazia tempo que queria ler e achei na promoção, então comprei. Livro muito inspirador, apenas! E nos faz refletir sobre o poder de ir em busca do que gostamos, independente do que vão pensar de nós.

5 – Adeus, aposentadoria – Gustavo Cerbasi

Na metade do ano pra cá, minha amiga Amanda (isso que é amiga, hein, aprendam!) me recomendou o canal da Nathália Arcuri, o Me poupe! um canal de informações e entretenimento financeiros. Minha vida mudou desde então e estou sempre indo atrás de aprender mais sobre investimentos, tesouro direto, metas, objetivos e por aí vai! Recomendo muito e tenho certeza de que, se colocar em prática pelo menos metade do que ela fala, seu 2017 vai ser bem melhor do que 2016! =D Ela indicou alguns livros e entre eles é o Adeus, aposentadoria, do Gustavo Cerbasi. Livro mais do que fundamental para o cenário econômico do nosso país.

A maioria desses livros estão disponíveis para baixar, por isso, não tem desculpa para não ler xD E você, o que leu de legal esse ano? É isso, espero que vocês curtam alguns e leiam os que indiquei. Com tudo que li esse ano com certeza em 2017 terá muito mais.
Até mais!

Como aprender a programar

Olá, pessoas queridas! Este post é uma compilação que resolvi fazer com mais links  e dicas para ajudar a galera que quer aprender a programar. Vale lembrar que, assim como tudo que aprendemos na vida, não se trata de mágica, mas de um processo, então, anime-se para começar a ver as coisas de outro jeito! Abaixo algumas dicas e links para vocês 🙂

1 – Programar se aprende programando

Sei que parece loucura, mas é como aprender outa língua: você tem que praticar para aprender. Neste sentido, sinta-se feliz porque existem muitos sites legais com este propósito!! Acredito que o mais importante é não se preocupar em entender TUDO, ir com calma e paciência.

Embora sejam muitas opções de links e de cursos e parece que você saber disso tudo em 1 dia, não se desespere. Veja cada um e escolha o que melhor você sentir afinidade. Alguns sites que eu usei e recomendo são:

Code.org – um jeito divertido de aprender Algoritmos! Recomendo fortemente, pois é muito importante dominar Lógica de Programação e além disso, é uma proposta bem legal (tem até tutorial com tema de Star Wars!).

Codecademy – tutoriais com várias opções bem legais.

Code School – Gosto muito deles e as aulas são em vídeo. Alguns são pagos, mas dá para fazer uns gratuitos.

Udacity – Também possuem aulas em vídeo e acho mais dinâmico que o CodeCademy, por exemplo.

Made with Code – um projeto muito legal para atrais meninas para programar 🙂

2 – Tenha um projeto que você queira fazer

Sabe aquele app que você sempre quis fazer? Ou um sistema que vai ajudar alguém da sua família? Uma das melhores e mais eficientes formas de se aprender a programar é ter um projeto pessoal, assim você vai se sentir mais motivad@ e confiante. Nessas horas, ajuda muito também pegar um código de qualidade por aí e modificar algumas coisas.

Por que aprender a programar? Ora, tudo que gostamos é feito de código!

3 – Tenha um(a) mentor(a)

Sério, isso é MUITO importante. Já falei isso aqui várias vezes e acho que nunca é suficiente: procure alguém que já tenha experiência para ajudar com suas dúvidas (não é para ficar perguntando tudo, hein). Sabe quando você tentou e mesmo assim não entendeu, ou quer entender mais sobre algo? Não tenha medo de perguntar.

4 – Divirta-se!

Isso é o mais importante e necessário ter em mente. Com isso, sinta-se bem vind@ ao mundo mágico da Programação!

 

Manual de sobrevivência do 1º semestre

Como eu transferi minha matrícula do tecnólogo para Computação, acabei aproveitando 4 disciplinas, por isso estava inscrita em Geometria Analítica, Introdução à Computação e Projeto Integrador I. Neste post vou falar um pouco de materiais e links para você se divertir (porque nem só de estudo vivemos!).

Geometria Analítica

Uma das matérias que mais me desesperei. Jurava que não ia passar, mas nada que sentar bunda e estudar pra valer não resolva. Eu não tive aulas de Geometria na escola, portanto, foi algo bem novo pra mim e tive muita dificuldade em entender os conceitos, ainda mais com essa abordagem super abstrata. Isso me deu até umas ideias para o Projeto Integrador do semestre q vem :), que será um jogo educacional usando a biblioteca Allegro, em C.

Quem me ajudou muito foram as aulas desse professor baiano que você pode ver no canal de GA. Ele segue a abordagem vetorial que a minha professora segue também. Esse material aqui aqui também ajudou muito! Quanto ao aprendizado, desculpa relembrar amiguinh@s, mas não existe segredo! É praticar muito e tentar sempre compreender o que acontece, tirando dúvidas e fazer exercícios extras, se possível.

Algoritmos e Programação I

O livro Elementos de Programação em C é gratuito para estudantes Senac e foi passado como leitura obrigatória. Para mim, C é algo bem diferente e desafiador, pois eu tive contato apenas com linguagens de alto nível (Ruby e Python <3). Também curti muito esse canal sobre Introdução à Programação em C e Ponteiros. Fizemos muitos exercícios do URI e esse foi o diferencial: é programando que se aprende a programar.

Pré-Cálculo

Eu estudei muito pelo canal do Grings e Khan Academy. Encontrei também este material aqui em inglês. Sem mistério também, tem que estudar e fazer as listas! (:

Introdução à Computação

Quando eu tiver muito dinheiro, vou doar para esse cara aqui, Titio Trevas. Também existem vários PDF’s disponíveis que apresentam mais a teoria. Pensa numa aula em que eu saía em entender nada do que o professor falava! Mas comecei a assistir os vídeos e fazer os exercícios que passei de boa. Não se desespere! É normal seu cérebro não entender tudo, ainda mais para quem não está acostumado a pensar como um computador. 

Projeto Integrador I

Esse eu comecei a ficar realmente preocupada. A proposta era fazer uma figura usando a biblioteca tikZ, em Latex. Foi bem difícil no começo, mas with a little help from my friends (aka Gabriel), deu tudo certo. O que me ajudou bastante foi começar a ligar os pontos usando um plano cartesiano. Eu fiz o relatório e vocês podem baixá-lo clicando aqui para saber mais. O resultado foi essa coisa fofa que vocês veem aí e minha inspiração foi essa animação da Chibird:

nhom nhom :3

PARTE 2

Pixar in a Box <333

pixar_in_A_box

O Khan Academy fez uma parceria muito legal com a Pixar: Pixar in a box! Eles mostram toda a Matemática e a prepração por trás ds animações. Estou fazendo e pretendo finalizar nas férias, para me divertir um pouco. Viu que fofo o monstrinho? 😀

How to Bake a Pi

Descobri essa professora de Matemática fenomenal e me apaixonei. Ela mostra como a Matemática está no nosso dia a dia e nem percebemos e o quanto perdemos por não ver isso. Ela tem um canal no Youtube e um livro que está na minha lista de compras! Eu adoro ver pessoas assim que tentam atrair as pessoas para Matemática, em vez de julgar quem não curte (ainda mais considerando o péssimo ensino que temos, né).

A complexidade sensível: um paralelo entre videogames e arte

Esse curso gratuito no Coursera é uma parceria com a Unicamp e discute jogos sob uma abordagem mais cultural. Achei bem legal, fica aí a dica para quem sempre algo a mais além do fato de jogar 🙂

Concluindo…

Este semestre foi bem intenso e algo que aprendi que fez toda a diferença foi entender a distribuir meu tempo de estudos de acordo com minhas necessidades. Isso é algo só você saberá, então não há fórmula mágica. Lembre-se de sempre respeitar seu ritmo de estudos e de pedir ajuda sempre que precisar (vou falar mais sobre isso em próximos posts, prometo). Isso não é fraqueza, é humano e pedindo ajuda você chega mais longe.

É isso, espero que curtam!

 

Programar é como… dançar

Há um tempo eu li uma post da Alina Rainsford sobre a experiência dela com o balé e a programação. Achei tão legal que resolvi compartilhar aqui. Olha que incrível esse sentimento que ela fala:

You have to do a ballet step a thousand times before your muscles have really learned it. Learning to code is like brain muscle memory.

Eu faço Pole Dance, para quem não sabe ainda, e mês que vem completo 2 anos. Passou muito rápido e lembro até hoje do primeiro dia, da música que a professora usou para passar uma coreografia e claro, do sentimento que me acompanha até hoje: não existe nenhum movimento que eu não possa fazer, o que eu preciso é de treino e persistência .

Como tudo que começamos a fazer, nosso corpo estranha, mas ele se acostuma. Você é quem define os limites dele. Já viu aquela frase do Aristóteles (ou não) de que o que te torna excelente são seus hábitos? Dançar é a prova viva disso.

 

A vida de toda dançarina xD

O seu corpo aprende a reagir ao novo e você se torna cada vez mais confiante e capaz de vencer os desafios. Alguns movimentos você pega de primeira, outros você demora um tempo e isso é normal. Ninguém aprende no mesmo ritmo, por isso, você aprende a ouvir seu corpo e respeitar os sinais dele. A melhor sensação é a de conseguir, principalmente aqueles que demoraram a sair!

Estudar Computação está sendo uma experiência semelhante para mim e todo dia é um desafio. Eu entendo meus limites, mas não me contento com o mínimo. Tenho meu tempo para aprender e estou aprendendo a respeitar isso. Eu posso não saber muito ainda, mas estou trabalhando nisso. Meus amigos, professores, tutores e tudo mais, serão cruciais nesse processo infinito, o que torna a caminhada mais divertida e desafiadora.

Nunca esqueça que pedir ajuda é essencial. Quem nunca precisou de uma mãozinha para resolver um problema, né? 🙂

 

Quando eu quero conquistar algo, sei que o primeiro passo é imaginar, depois trabalhar até conseguir. Sabe como é, eu tenho síndrome de Beyoncé:

I see it, I want it
I stunt, yellow-bone it
I dream it, I work hard
I grind ’til I own it

Espero que vocês tenham curtido. Depois da semana de provas, estou de volta! E você, como se sente ao aprender a programar?

Dicas para ser um(a) bom(a) estudante de Computação

good
Como tudo na vida, sem esforço e dedicação não há muitos frutos, certo? Em Computação isso é um pouquinho mais rigoroso (e mais divertido). A seguir listei algumas dicas de como se tornar uma boa estudante/bom estudante. Reuni essas dicas a partir de conversas com amigos da área e procurando outros posts por aí. Preparados?!

Aprenda inglês

Se já sabe, procure por certificações.

Tenha uma rotina de estudos

É importante que seja a que você se sente melhor, sem neuras. Tenha um compromisso com seus estudos, assim como você tem com as outras coisas da sua vida. Procure sempre dar o melhor de si, mas sem exigir perfeição.

Não tenha medo de errar

Nunca.

Seja curiosa(o)

Precisa falar mais alguma coisa sobre esse tópico?

Seja autodidata

Isso não tem nada a ver com nunca pedir ajuda, mas ter a autonomia de buscar soluções por si mesma é primordial. Cá entre nós, essa é a parte mais legal de ser cientista! 🙂


Sempre busque por excelência

Procure coisas que vão te desafiar. Ande com quem você admira, treine sempre e tenha sempre foco. Parece bobeira, mas se você aplicar isso no seu dia a dia, fará toda a diferença.

Um passo de cada vez

Para quem está começando, ao olhar a grade curricular, parece que vai ser um caminho infinito. Dando um passo de cada vez, mas um passo bem sólido e fundamentado, a realização dos seus objetivos serão consequência de tudo isso.

Peça ajuda e ajude os outros

Se você, como eu, não é nenhum gênio (ou pelo menos não descobrimos ainda xD), frequentemente você vai ter dúvidas. Computação é algo totalmente novo para seu modo de pensar, por isso vai ser recorrente a sensação de estar perdida. Peça ajuda, tire dúvidas, confie em si mesma e siga em frente.

Lembre-se de porquê você começou

Quando se sentir desmotivada, lembre-se de porque começou (ou veja fotos do Pusheen e outros gatinhos xD). Tenha uma lista de coisas para fazer quando precisar se animar: frases, vídeos, fotos, etc., qualquer coisa que te inspire. É importante ouvir nosso corpo e descansar também.

Tenha paciência e acredite em você

E você, quais dicas teria para acrescentar?